No prelo há quase 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Poema da solidão


Eu estou só, e tanto, e tão sozinho,
que ouço, o mais calado pensamento,
como fosse um desejo ou um intento,
de cultivar a flor no colarinho.

Eu estou só no meio do caminho,
que une o desencontro e a saudade,
onde o momento abraça a eternidade
e conta os seus segredos comezinhos.

Ah! Solidão! Poema à deriva...
na imensidão do mar, qual água-viva
a desmanchar nas brumas da memória.

Deixa-me só, te peço, um pouco mais,
talvez assim eu possa ser capaz
de versejar o fim da minha história.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 25/04/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras