No prelo há quase 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Só mais um intertexto com Belchior:

Aos pés de Dante


Era a hora do gol (a hora exata),
quando o tal analista apareceu:
um cara bem mais moço do que eu
vestindo roupa branca e de gravata.

E me falou a coisa mais sensata,
e, ao mesmo tempo, a coisa mais insana,
da divina comédia desumana
vivida por um velho magnata.

Segundo ele, o pobre milionário
viveu a vida inteira ao contrário
de tudo o que sonhou, desde criança.

Não foi feliz direito, inda por cima
morreu sem encontrar uma só rima
pra poetar o amor pelas finanças.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 14/05/2017
Alterado em 14/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras