No prelo há quase 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Penso, logo insisto

Quando criança adorava ir ao circo! Três personagens me fascinavam: o mágico, o palhaço e o equilibrista. Formavam, na minha mente infantil, uma espécie de santíssima trindade.
Fui crescendo, e crescendo... e cresci. Hoje, adulto, não preciso mais ir ao circo para me encantar com o mágico, me basta ler um poema. Também não preciso ir ao circo para rir do palhaço, basta me olhar no espelho. Finalmente, descobri que somos todos equilibristas na corda bamba da vida. Somos, ao mesmo tempo, os atores, sob a lona azul do céu, e a plateia que paga para rir-se de si mesma; para tentar descobrir a mágica do enriquecimento e, por último, para derrubar os que dividem conosco a corda bamba.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 20/05/2017
Alterado em 20/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras