No prelo há quase 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

"Os pintores só devem meditar com os pincéis na mão." Honoré de Balzac

A pena do poeta

O sangue dos pintores, como a tinta,
colore, da razão à utopia,
desde a primeira gota da sangria,
a segunda, a terceira, até a quinta...

E colore também a poesia,
a música, a dança, o teatro...
desde primeiro, ao dois, aos três, ao quatro...
até ao fim do mundo de quem cria.

A pena do poeta, como a rima,
colore do rascunho à obra prima
dede o primeira estrofe à derradeira.

E colore também, tal como a tinta,
aquilo que a arte borda e pinta
mesmo dos que não têm eira e beira.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 29/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras