No prelo há mais de 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Pranto guardado

Seu coração que é berço e é jazigo
de todos os amores já vividos,
de tanto que venceu, quedou vencido
por uma das paixões do tempo antigo.

Chora, pois que alguém chora contigo
a derradeira lágrima do triste:
a lágrima que teima e que resiste
em se evadir dos olhos comovidos.

Chora pelos amores proibidos,
ou por algum amor dos tempos idos,
que se perdeu nas sombras do passado.

Se não puder chorar, não tenha medo,
que a poesia guarda, em segredo,
o pranto que jamais derramado.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 01/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras