No prelo há mais de 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Fé cartesiana

Eu não professo a fé das convenções,
que grassam pelo mundo hoje em dia.
A minha fé remonta à poesia,
que dorme em silentes corações.

A fé que não persegue multidões
e que não usa algemas de doutrina.
A fé, racional e genuína,
que separa os honestos dos ladrões.

Eu tenho fé na força de um poema,
de um verso que persegue a piracema
pra constatar que a vida se renova.

A fé que não despreza a inteligencia,
que não renega os dotes da ciência
ao nortear os peixes pra desova.

A fé que me clareia a consciência.
Que ainda que discorde, não reprova!
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 07/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras