No prelo há mais de 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Flor-do-natal

Na rede de dormir da minha infância,
eu fiz um buraquinho, com o dedo,
para enxergar o mundo em segredo
e cutucar o medo à distância.

De lá eu escrevia o enredo
de cada um dos sonhos de menino.
De lá eu dava ordens ao destino
como se o mundo fosse de brinquedo.

Da rede de dormir da minha infância
me restam os vestígios da fragrância
das flores que plantei no meu quintal.

E uma dessas flores, eu me lembro,
brotou em vinte e quatro de dezembro,
e floresceu no dia de Natal.

Desde então eu trago aqui comigo,
para dar de presente a um amigo,
a flor que floresceu no meu quintal.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 24/12/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras