No prelo há quase 50 anos...

O amor, poeta, é como cana azeda, A toda boca que não prova engana. (Augusto dos Anjos)

Textos

Belchior

Minha mulher me chama, é hora do almoço.
A minha mão reclama um violão calado
e um poeminha torto que eu deixei de lado,
pois meu amor em chama já não é tão moço.

A minha voz declama o verso que ora ouço,
enquanto o meu almoço, a esfriar no prato,
convida o irmão mais moço, que está no retrato,
a reclamar da vida e do arroz insosso.

Meu pai na cabeceira não alcança o sal.
A minha mãe levanta, como é normal,
e pacientemente nos serve a comida.

Eu ponho na vitrola um velho Belchior,
apanho o violão, afino em dó maior
e toco "à palo seco", ou coisa parecida.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 01/05/2017
Alterado em 01/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras